Audax 200 – meu relato dos meus primeiros 200Km de pedal

As pessoas têm falado que eu não escalo mais… antes de continuar esse relato, preciso dizer que isso não é verdade ! rsrsrsrs…

A questão é que sempre pedalei, e com essa época chuvosa e instável, realmente dá um desânimo em ir para a rocha, e enquanto isso, as bicicletas ali, quietinhas, esperando para sair e irem passear… eu não podia deixar as magrelas tão solitárias não é mesmo ?

Eu nem sabia o que era Audax até ouvir sobre isso com o Artur Vieira.  E nunca havia pedalado mais do que uns 70Km em um único dia (em trilha de MTB).

Dito isso, há cerca de um mês atrás, fiz meu primeiro pedal com mais de 100Km:  saí de SP, pegamos a marginal Tiête e na sequência a rodovia Ayrton Senna, rumo à Camburi/Bertioga, passando pela Serra de Mogi das Cruzes (Rota do Sol).

Deu tudo muito errado nesse pedal, várias câmaras furadas, etc… mas para mim foi uma espécie de libertação (apesar de todas as dores no corpo) passar a saber que eu era *capaz*  de pedalar mais de 100km de uma única vez…

Finalmente o dia da verdade chegou. Colocamos as bikes no carro e fomos para o hotel, em Boituva, onde na madrugada do dia seguinte teria início o pedal de 200Km.

Euforia, ansiedade…. acordei às 04:00h da manhã achando que havia perdido o horário…. voltei a dormir… finalmente as 04:50h levanto para um rápido banho.

Ainda no quarto como dois pedaços de pizza que havia surrupiado do jantar no dia anterior.

Às 05:30h fazemos a nossa vistoria na praça da cidade, vistoria essa no qual os fiscais do desafio verificam se você está de capacete, colete refletivo, farol dianteiro e iluminação traseira…

Voltamos para o hotel para comer mais, ou melhor, finalmente tomar o café da manhã…

por volta das 06:30h voltamos para a praça, onde presto o máximo de atenção ao briefing do pessoal da organização.

Pouco depois das 07:00h começamos a pedalar, um bloco com mais de 100 audaciosos ciclistas rumo ao desafio de superação pessoal.

Havia bicicletas top, aquelas feitas para velocidade que pesam uns 7kg e custam mais de R$ 10.000,00, da mesma forma que haviam bikes mais pesadas e carregadas, como a minha com seus 15 ou 16 Kg…

Uma onda de energia percorre o meu corpo, e logo cada um começa a encontrar seu próprio ritmo…

Após uns 60Km chega o primeiro posto de checagem (PC1).

Descanso uns 30 minutos, reabasteço minhas garrafas de hidratação, como um sanduíche e um gel de carboidrato, estico um pouco as pernas e… volto a pedalar…

Depois de uns 20km, já totalizando uns 80Km de pedal, vejo no lado oposto da pista um pelotão de uns 5 ou 6 ciclistas *voltando* do PC2, ou seja, eu estava ainda com 80Km e esse pessoal já estava uns 40 Km na minha frente…rsrsrsrs

Chego no PC2, totalizando 100Km pedalados… descanso pouco, coisa de uns 20 minutos, como mais um sanduíche, reabasteço minhas duas garrafas com gatorade, mais gel de carboidrato, metade de uma lata de coca-cola e… volto a pedalar.

Ao chegar no PC3, totalizando agora 140Km pedalados, já começo a me sentir meio que cansado, as pernas estão pesadas, é esquisito caminhar e não faço praticamente nada a não ser comer, beber bastante água e gatorade  e ficar hora sentado, hora deitado… o tempo passa rápido e quando me dou conta, fiquei uns 40 ou 50 minutos parado no PC3.

Me bate um desespero ao saber que tenho apenas 4 horas para fazer os últimos 60Km, sendo praticamente a metade desse trajeto é de subida, que o cansaço está pegando “forte” para mim, que o sol me incomoda cada vez mais e sem falar do maldito vento contrário… hah o vento contra é dureza…

Começo a pedalar com um verdadeiro “sangue nos olhos”, e a dor no meu corpo só aumentando. Desligo o MP3 e entro no modo automático, onde apenas passo a me preocupar em manter um ritmo de pedalada em torno de 30 a 35 Km/h nas retas, algo entre 50 a 70Km/h nas descidas, tudo isso para compensar meus pífios 8 a 9 km/h nas subidas…

Fico esperando o tal do êxtase que a Cintia (minha esposa) tinha dito que iria chegar… ela falou algo assim: “não se preocupe muito, vai chegar um momento no qual a dor vai passar e depois vai ser apenas um êxtase…”… E cadê que a tal da dor não passava ? só ia aumentando o peso nas pernas e o cansaço nos joelhos ? até a bunda começou a doer !

Parei de olhar o odômetro para não me desanimar. As subidas (intermináveis) eram uma atrás da outra, um verdadeiro tobogã… o sol começa a descer na linha do horizonte, as sombras vão ficando looongaaasssssss e finalmente, tomo coragem e olho no odômetro: 191Km pedalados !

Quase tenho um treco ao ver esse número mágico (a barreira dos 190Km) ! Logo vejo uma placa escrita “Saída para Boituva a 1,5Km”. Quase me deu vontade de chorar.

Aumento ainda mais a pressão e entro rasgando a cidade….

201.7Km pedalados.

Chego com pouco mais de 1hora de folga no PC4, por volta das 19:35h (o PC4 iria fechar as 20:45h)… na verdade acabei me perdendo dentro da cidade, mas isso é outra história…rssrsrs

Orgulho de mim mesmo.

Vejo o tempo de chegada dos primeiros amigos audaciosos e fico pensando na força e empenho realizados para conseguirem chegar às 15:25h… uia !!

Bom… é isso… certamente uma prova de desafio e superação pessoal.

Gostei bastante. E vi na prática a diferença que faz usar pneus aro 700cc, calibragem elevada (mais de 100psi) nos pneus, uma coroa 50, 52 dentes… rsrsrsrsrs  e eu ali, com minha magrela 26″ e “coroão” de 48 dentes e freio a disco.. kkkk

Divirtam-se com as fotos :

para saber mais:

Minha comparação tosca entre o Audax e a escalada de alta montanha:
 
Audax <-> Alta Montanha
  • 120Km = escaladinha básica das montanhas de 4000m por rotas normais
  • 200Km = montanhas de 5000m por rotas normais
  • 300Km = montanhas de 6000m por rotas normais
  • 400Km = montanhas de 6500 ~ 7000m por rotas normais
  • 600Km = montanhas de 6000 ~7000m por rotas técnicas
  • 1000Km = montanhas de 8000m por rotas normais
  • 1200Km = montanhas de 8000m por rotas “técnicas”
e por ai vai.. por exemplo, imagino que um “Race Across América”, com seus quase 4000Km de pedal deve ser algo como um Everest sem oxigênio…rsrsrsrs
Related Posts with Thumbnails

5 Comments

  1. Hah Mr. Ogro… rsrsrsrs isso eu já faço.. rodo uns 25 a 35Km quase todo dia, mas com a bicicleta toda carregada com as porcarias no bagageiro..rsrsrsrs Claro que isso não é nada para quem mora lá na casa do .. ops, mora lá na serra da cantareira…rsrsrss (o Artur Vieira que me falou !!!).

    Agora falando sério: já descobri que não vou morrer nesse tal de audax, agora acho que vou começar a brincar de pegar a bandeirantes (que é perto da minha casa) e fazer o circuito hortolandia – limeira – hortolandia (que dá uns 130 ~140 Km de pedal para mim) nos dias que eu não tiver “nada” para fazer ou aos finais de semana (que eu não estiver escalando, claro…)…

    Abs e valeu pela visita a este singelo blog ;-)

  2. é, se eu vou pra bicicletada já um passeio de uns 70 kms… hehehehe.
    a bike melhora escalada e escalaminhadas… pq fortalece músculos que nem sempre nos preocupamos em fortalecer. com a vantagem de não ter impacto.

  3. Davi, parabéns por ter completado o Audax 200, já faz um tempo que penso em fazer um tambem… vou fazer o de Holambra… inclusive no ultimo final de semana fiz Rib.Preto a Holambra em 2 dias pensando no Audax… já dividimos uma cordada no Pantano, quem sabe agora em janeiro não dividimos uma estrada tambem!!!

    abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>