Viagens a países em desenvolvimento (3o. mundo) – Tratando de parasitoses…

Qualquer um que viaje para um país ou região em desenvolvimento, onde a higiene, assim digamos, não é o “forte”, possui grandes chances de voltar para casa com amigos indesejáveis dentro do corpo…

São parasitas (vermes e protozoários) que realmente fazem o seu portador “reinar” no “trono” de forma bem desagradável…Por falar nisso, você sabe como purificar sua água durantes as viagens ? Confira o artigo em : www.blog.marski.org/?p=2090Enfim, na maior parte das vezes esses são problemas transitórios conhecidos como “diarréia dos viajantes” ( www.manualmerck.net/?id=132&cn=1116 ), entretanto, as chances do indivíduo ter tido contato com agentes patológicos são grandes… a lista é extensa, mas os mais comuns seriam:
  1. criptospodium   ( http://www.mayoclinic.com/health/cryptosporidium/DS00907 )
  2. vírus da hepatite A  (  http://pt.wikipedia.org/wiki/Hepatite_A  )
  3. giárdia lamblia ( http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/Giardiase.htm )
  4. ameba hystolística  ( http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?20 )
  5. vermes cilíndricos e/ou achatados (helmintos e nematelmintos)

Os patógenos 1 e 2 o organismo consegue lidar de forma espontânea, curando-se sozinho…  (ou não…rsrsrsrsrs), já os itens 3 a 5 requerem uma atenção especial.

A questão é que no caso deles (itens 3 e 4) mesmo que a “fase” da diarréia já tenha terminado, a pessoa infectada continua com o agente (verme/protozoário) dentro do corpo, e isso pode permanecer ali por vários anos (ou a vida toda) sem que a pessoa “apresente” maiores sintomas…  Ou melhor, a pessoa até apresenta os sintomas (fraqueza, sono, palidez, anemia, etc…) mas ela acaba se acostumando com o quadro e não se dá conta…

O exame para detecção destes parasitas é o famoso “exame de fezes”, entretanto, esse *não* é um exame muito confiável, apresentando um alto índice de resultados “falso negativo”, isso é, a pessoa está infectada e o exame não apresenta esse resultado…

Como o tratamento para os itens 3 e 4 é o mesmo, e como virtualmente não possui contra-indicações, é muito melhor simplesmente fazer um tratamento profilático (preventivo)…

Enfim, o tratamento de primeira escolha para amebíase e/ou giardíase é tomar (em dose única) 2 comprimidos de 1000mg cada de Secnidazol (não precisa de receita).   Para os vermes (item 5) o tratamento é tomar, também em dose única, 400mg de Albendazol.

Tomando-se esses dois remédios não há necessidade de se fazer mais nada…

Como efeito colateral a pessoa “pode” ter uma leve dor de cabeça, constipação intestinal, um gosto metálico na boca… e como restrição, a pessoa *não* pode estar grávida *nem amamentando* e *não*  pode ingerir álcool durante 4 dias após tomar os remédios…

Uma outra excelente opção (essa foi uma dica de três amigos médicos diferentes !) é usar o Annita (Nome comercial da Nitazoxanida), esse princípio ativo parece inibir uma enzima fundamental à vida tanto de protozoários, quanto de helmintos (vermes) e até mesmo de criptospodiridiuns ! Ou seja, é um remédio tipo “2 em 1″.

Seu grande incoveniente é o preço (mais de R$ 50,00).

É isso !Qualquer dúvida adicional não bobeiem e procurem um médico!

Afinal de contas ninguém quer que uma eventual ameba “migre” do intestino para o fígado causando problemas e danos maiores, não é mesmo ?

Abraços e ótima semana a todos,
Para saber mais:
Related Posts with Thumbnails

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>